Páginas

12 de novembro de 2018

Twitter e Facebook dizem ao TSE que Bolsonaro não contratou impulsionamento de conteúdo

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL) — Foto: Pedro França/Agência Senado
O Twitter e o Facebookinformaram nesta segunda-feira (12) ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que a campanha do presidente eleito Jair Bolsonaronão pagou para as duas empresas disseminarem conteúdo na internet.

As manifestações das duas redes sociais foram enviadas após o ministro Luís Roberto Barroso, relator da prestação de contas de Bolsonaro, determinar que as empresas informem se a campanha pagou pelo impulsionamento de conteúdo.

Além de Twitter e Facebook, o Google, o Instagram e o WhatsApptambém deverão prestar informações.

Esta foi a primeira eleição com permissão para impulsionamento de conteúdo para fins eleitorais. Como regra, contudo, precisava ser identificado de forma inequívoca e contratado exclusivamente por partidos políticos, coligações, candidatos ou representantes.

"O Twitter Brasil averiguou internamente e foi constatado que as contas verificadas do candidato Jair Messias Bolsonaro e do partido político Partido Social Liberal (PSL) – @jairbolsonaro e @psl_nacional, respectivamente – não contrataram impulsionamento de qualquer conteúdo, seja este eleitoral ou não", informou a empresa.

Com relação a contas não oficiais, o Twitter afirmou: "Para que seja possível o fornecimento de qualquer informação referente a conteúdo orgânico ou patrocinado na plataforma Twitter, faz-se imprescindível que os tweets sejam devidamente especificados por meio de suas respectivas URLs, que permitam a localização inequívoca do conteúdo."

Já o Facebook informou que a página e as conta oficiais do candidato eleito divulgadas pelo próprio TSE "não contrataram impulsionamento de conteúdos no período entre 16 de agosto de 2018 e 28 de outubro de 2018".

O Facebook afirma ainda que, se a Justiça Eleitoral entender pelo fornecimento de informações envolvendo outras páginas e contas além daquelas registradas junto ao TSE, poderá contatar os operadores dos sites Facebook e Instagram para viabilizar o fornecimento dos dados disponíveis em seus servidores, mediante a indicação das URLs correspondentes, nos moldes da legislação vigente".


Fonte: G1

Receitas médicas serão válidas em todo o território nacional

As receitas de medicamentos serão válidas em todo o território nacional, independentemente da Unidade da Federação em que forem emitidas. É o que determina a Lei nº 13.732, sancionada nesta sexta-feira (9) pelo presidente Michel Temer. Leia também: Vacina antirrábica segue disponível nos postos de saúde Ministério pede imunização contra febre amarela antes do verão O texto sancionado altera a Lei nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973, que trata do Controle Sanitário do Comércio de Drogas, Medicamentos, Insumos Farmacêuticos e Correlatos. A medida entrará em vigor 90 dias após a sanção e será válida, inclusive, para os medicamentos que estiverem sujeitos ao controle sanitário especial. 


Fonte: Imirante.com

Presidente do Progressistas diz que Ciro é o candidato natural em 2022


Os Progressistas não escondem mais o desejo de lançar o presidente nacional, Ciro Nogueira, como candidato a governador em 2022. De acordo com o presidente do partido no Piauí, Júlio Arcoverde, Ciro é o nome natural para governador.

Júlio afirma o tamanho e números do partido justificam uma possível candidatura. Ele diz que o assunto já foi tratado com o governador.

"O senador Ciro Nogueira é nossa liderança maior. Terminou essa campanha em primeiro lugar. Ele não nega de ninguém o desejo e o governador não nega isso de ninguém. Desde 2014 não negamos isso de ninguém. Temos o projeto de eleger o governador do partido Progressistas para 2022. Todo mundo que deseja ter esse projeto tem que começar a trabalhar a partir de agora", afirmou.

Segundo ele, se Ciro preferir ficar no Senado, o partido terá outros nomes. O nome cotado é do prefeito Firmino Filho, que ainda não é do partido, faz parte do PSDB, mas é cotado para se filiar ao Progressistas e ser candidato em 2022. 

"Estamos trabalhando para esse nome ser de Ciro Nogueira. Se ele preferir ficar em Brasília, ajudando os municípios e os prefeitos de termos outros nomes", afirmou.

O Progressistas pede o apoio do governador. Ele lembra que sempre estiveram com o governador.

Foto: Wilson Filho/Cidadeverde.com
"Contamos com o apoio do PT. O governador sabe. Quando iniciamos essa caminhada em 2014 que tínhamos o interesse de dar a ele o suporte em 2014 e em 2018, muitos apostavam nesse rompimento, nós cumprimos todos os nosso acordos com o governador e ele sabe que 2022 era um anseio nosso. Mas, nada impede dos outros partidos também terem candidatos e vamos conversando. O importante é se fortalecer", declarou.

O partido iniciou o fortalecimento. Até o final de 2019 filiar 100 prefeitos.

"Começamos a trabalhar, a visitar várias cidades no interior. Estamos captando o máximo de prefeitos que podemos. Nossa meta é até depois do Carnaval fazer uma grande festa de filiação. Chegando a uma centena de prefeitos. Queremos iniciar 2020 com 100 prefeitos e 40 vice-prefeitos. Essa é nossa meta. Nesse primeiro momento pelo menos 10 partidos vai se filiar ao partido", afirmou.


Lídia Brito
lidiabrito@cidadeverde.com

10 de novembro de 2018

Há 100 anos nascia Alberto Silva

Por Zózimo Tavares
Alberto Silva, um sonhador
Para muitos, ele era um tocador de obras; para outros, uma usina de ideias; para a maioria, um sonhador. E todos estavam certos. 100 anos depois de seu nascimento, em 10 de novembro de 1918, na Ilha Grande de Santa Isabel, em Parnaíba, Alberto Silva chega ao seu centenário como um mito da história recente do Piauí.

No decorrer de sua longa e intensa vida pública, encerrada em 28 de setembro de 2009, quando ele tombou em pleno combate, no exercício do mandato de deputado federal, sempre abraçou causas novas e ousadas, algumas polêmicas. Todas, porém, com muito entusiasmo.

Compôs uma das mais vastas e mais completas biografias políticas do Piauí. Na política estadual, foi tudo. Na política nacional, só faltou ser ministro e presidente da República. Mas ocupou cargos na administração federal equivalentes ao de ministro de Estado.

Na passagem do centenário de seu nascimento, Alberto Silva recebe as homenagens dignas de um vulto histórico, patrocinadas pelo Governo do Estado, pela Assembleia Legislativa, as Prefeituras de Parnaíba e de Teresina, a Academia Piauiense de Letras e pelo Sesc Piauí.

Na política por acaso
Alberto silva entrou na política por acaso. Quando era um jovem engenheiro formado na prestigiada Escola de Itajubá, em Minas Gerais, e comandava mais de 3 mil trabalhadores na Central do Brasil, no Rio de Janeiro, ele veio passar férias em Parnaíba.

Era o final de 1947. Por essa época, a velha usina elétrica da cidade só vivia no prego. Houve também uma enchente que alagou os bairros ribeirinhos da cidade.

Em 24 horas, Alberto consertou a usina e bombeou as águas que inundavam Parnaíba. As famílias alagadas puderam voltar às suas casas e as lojas comerciais puderam reabrir as suas portas.

Imediatamente, seu nome ganhou projeção e simpatia na cidade. Os caciques da política local, abrigados na velha a matreira UDN, entenderam de lançar o seu nome a prefeito. Ele relutou, pois seu projeto era seguir a carreira profissional, no Rio.

Na última hora, porém, aceitou o convite-convocação da terra natal para concorrer à Prefeitura, certo de que perderia a eleição, pois o adversário, Darcy Araújo, do PTB, o partido das massas, se apresentava como imbatível.

A eleição foi realizada em 21 de janeiro de 1948 e o jovem engenheiro sagrou-se vitorioso, por apertada maioria. Na prefeitura, fez uma administração revolucionária, com muitas obras de infraestrutura. Ou estruturantes, como se diz atualmente.

Um peixe fora d’água
Nas eleições seguintes, em 1950, elegeu-se deputado federal. Foi o mais votado de seu partido. Na Assembleia Legislativa, sentiu-se um peixe fora d´água. Com seis meses, renunciou ao mandato e assumiu o cargo de diretor da Estrada de Ferro Central do Piauí, sediada em Parnaíba.

Fez outra gestão revolucionária, restaurando e ampliado a malha ferroviária e substituindo as velhas “marias-fumaça” por trens modernos.

Em 1954, elegeu-se para um novo mandato de prefeito de Parnaíba. Ao final, retornou para a direção da Estrada de Ferro, dando novo impulso à ferrovia.

No começo da década de 60 foi morar em Fortaleza. A convite do governo cearense, dirigiu a companhia estadual de energia e eletrificou todo o Ceará.

Alberto Silva: no governo, o tocador de obras
No Governo do Piauí
Em 1970, foi indicado para ser governador do Piauí. Houve resistências e ele foi o último daquela safra a ser escolhido.

Chegando de paraquedas ao Governo do Piauí, contra a vontade do esquema político liderado pelo senador Petrônio Portella, político em ascensão no plano nacional, logo deu a volta por cima.

Fez um governo absolutamente inovador e realizador. O Piauí virou um canteiro de obras, de ponta a ponta.

“A confiança do povo explodiu já nos primeiros meses do novo governo. Explodiu é bem o termo, para definir a euforia que surpreendeu a população”, recordava Alberto, ao fazer um balanço daquele período.

Ele lembrou ainda que o mercado de trabalho ampliou-se de forma fenomenal com o grande volume de obras públicas jamais visto, e a renda regional entrou num ritmo distributivo até então desconhecido no Estado.
Albertão, símbolo de uma era de euforia
Um nome proscrito no Piauí
Do Governo do Piauí, Alberto alçou voos para importantes cargos federais. Foi coordenador do Programa de Desenvolvimento Industrial e Agrícola do Nordeste (Polonordeste) e presidente da Empresa Brasileira de Transportes Urbanos (EBTU), responsável pela construção dos metrôs do Rio e de São Paulo, entre outras obras.

Com sua ausência do Piauí, para o exercício desses cargos, o esquema político que lhe fazia oposição tratou de varrer o seu nome do mapa.

Fora do governo, amargou o desprezo e a censura. Seu nome era proibido nos meios de comunicação locais, por imposição do governo.

Se alguma vez aparecia na imprensa, era em condições desfavoráveis ou amparado em liminares judiciais para se defender de agressões praticadas contra ele.

Mesmo com tantas obras e presente na memória dos piauienses, nas eleições de 1978 perdeu a eleição para senador e, em 1982, para governador.

A tormentosa volta ao poder
Em 1986, aliou-se ao seu mais ferrenho adversário politico, o ex-governador Lucídio Portella, e voltou ao Governo do Estado pelo voto direito. Lucídio foi seu vice.

A aliança política jamais imaginada revelou um Alberto Silva como homem de diálogo e sem ressentimentos.

Depois disso, ao longo de sua carreira, ele se compôs com vários outros adversários ferrenhos do passado.

O ex-prefeito Wall Ferraz, um crítico de seu segundo governo, acabou sendo seu candidato a governador, em 1990.

O último com quem Alberto fumou o cachimbo da paz foi Hugo Napoleão, que o derrotou na disputa pelo governo, em 82.

No seu segundo governo, Alberto viveu um período amargo de sua vida pública. Eram tempos diferentes daqueles idos de 70, a época do ‘milagre brasileiro’.

Além disso, a oposição foi implacável e procurou de todas as formas sabotar a sua administração e ridicularizar o governador, para enfraquecê-lo para as eleições de 90. Conseguiu.

Os altos e baixos
Ao contrário de 1975, quando deixou o governo nos braços do povo, Alberto Silva saiu em baixa do governo, em 1991.

No ano seguinte, perdeu a eleição para prefeito de Teresina. Em 1994, começou a se recuperar e conquistou o mandato de deputado federal.

Em 1996, perdeu novamente a eleição para prefeito da capital e, em 98, reconciliou-se definitivamente com o eleitorado, recebendo nas urnas o mandato de senador.

Conquistou mais dois mandatos de deputado federal, sem fazer campanha.

Grandes projetos fracassados
Nem todos os arrojados projetos de Alberto Silva deram certo. Muitos deles ficaram inacabados pelo caminho ou simplesmente não se viabilizaram.

É o caso do porto marítimo de Luís Correia. No governo e fora dele, Alberto moveu céus e mares para concluir a obras, mas não conseguiu.

O porto, um sonho secular do Pauí, ainda é uma obra inacabada até hoje. Está completamente abandonado.

Outro projeto seu que não andou foi o do restabelecimento da navegação do rio Parnaíba. Sua ideia era possibilitar a recuperação do rio, que está em condições bem mais críticas do que na época do seu segundo governo, quando lançou a ideia, sintetizada no “Navio do Sal”.

A agonia do rio não sensibilizou a classe política piauiense. O Parnaíba segue em sua correnteza mansa rumo à morte anunciada.

O nome que fica
Com formação aristocrática e vasta cultura, Alberto Silva foi um político educado, polido, incapaz de destratar um adversário.

Como um cardeal, não levantava a voz. Um comunicador nato, convincente. Impunha-se pela presença. Gostava de falar mais de obras e projetos do que de politica.

Apesar de todos os cargos públicos exercidos e dos mandatos eletivos desempenhados, levou uma vida familiar e pessoal modesta, ao lado da mulher, dona Florisa, companheira inseparável de todas as lutas, alegrias e tristezas, derrotas e conquistas.

Alberto Silva é lembrado pela sua geração como um idealista, um sonhador, um obstinado e, sobretudo, um realizador.

Um governante que fez o Piauí sentir-se grande.
BR-135, antiga PI-4, interligação Sul do Piauí

Obras e serviços que popularizaram Alberto Silva
- Albertão

- asfaltamento de mais de 1.000 quilômetros de estradas federais e estaduais;

- ampliação do sistema elétrico do Piauí, com energia da usina de Boa Esperança;

- implantação da reforma do ensino, com a criação do Estatuto do Magistério e do Salário Móvel para os professores;

- implantação da Universidade Federal do Piauí;

- Maternidade de Teresina e Hospitais de Floriano e Picos;

- Hospital de Doenças Infecto-Contagiosas (HDIC) e Ambulatório do HGV;

- Zoobotânico;

- reforma urbanística e ampliação do sistema viário de Teresina;

- construção do dique de proteção da zona Norte contra as enchentes, transformado na Avenida Boa Esperança, que leva ao Encontro dos Rios;

- reforma e ampliação do Theatro 4 de Setembro, reinaugurado com o Corpo de Baile do Teatro Municipal de Rio de Janeiro e a Orquestra Sinfônica Nacional;

- Monumento aos Heróis do Jenipapo, em Campo Maior;

- Projeto Piauí;

- reforma e modernização do Palácio de Karnak;

- construção do edifício-sede do Tribunal de Justiça do Piauí;

- Poticabana;

- Metrô de Teresina;
Com Alberto Silva no governo, o Palácio de Karnak virou um cartão postal

Fonte: Cidade Verde.com

Carteira no bolso salva major da PM em troca de tiros com bandidos


Bala parou na carteira do policial (FOTO: Divulgação)Um policial militar trocou tiros com assaltantes, e uma das balas foi parar na carteira do major. O caso aconteceu na noite desta sexta-feira (9), no Bairro São Cristóvão, em Fortaleza.

De acordo com a Polícia Militar, o oficial estava em casa e ouviu pessoas na rua avisando sobre um assalto. Ao sair da residência, trocou tiros com os criminosos.

O PM, identificado como major Passos, conseguiu balear um dos bandidos, mas também foi atingido. A bala, no entanto, ficou alojada na carteira do major, que estava no bolso. Ele teve apenas um leve corte na perna.

A dupla suspeita da ação foi presa no bairro Conjunto Palmeiras, minutos depois, e levada ao Frotinha de Messejana.

Informações do repórter Denes Barbosa, do programa Barra Pesada, da TV Jangadeiro/SBT.

7 de novembro de 2018

Exercito Brasileiro inicia Operação Suçuarana em Parnaíba

Como parte da “Operação Suçuarana” uma Ação Cívico Social (Aciso) está sendo realizada nesta quarta-feira (7), desde as 8h, na Escola Municipal Albertina Furtado Castelo Branco (CAIC) no Bairro Piauí, em Parnaíba.

Trata-se de uma parceria entre o Exército Brasileiro (10ª Região Militar) e a Prefeitura de Parnaíba, que está mobilizando toda a estrutura da Secretaria Municipal de Saúde para que o evento obtenha os resultados esperados. No local estão sendo atendidas várias especialidades médicas.

Cerca de 700 militares estão realizando o patrulhamento do município como parte do adestramento das tropas da 10ª Região.

Clique AQUI e veja reportagem completa de Kairo Amaral para o Bom Dia Piauí.



Fonte: Jornal da Parnaíba

TRE - MA MANTÉM PREFEITO DR. TADEU SOUSA NO CARGO


URGENTE! POR 04 A 02 TRE - MA MANTÉM PREFEITO DR. TADEU SOUSA NO CARGO
No inicio da noite desta terça - feira (06/11/18), o Pleno do TRE - Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão, julgou processo movido pela coligação derrotada nas últimas eleições municipais de Magalhães de Almeida,  onde pretendia a cassação do diploma do Prefeito, legitimamente eleito, Dr. Tadeu Sousa do (MDB). O tribunal decidiu por 04 votos a 02 pela manutenção no cargo do prefeito Dr. Tadeu Sousa, acabando de vez com as pretensões daqueles que, derrotados nas urnas, buscavam o poder via TAPETÃO. Foi também absorvido o vereador Antônio José Tobias. Atuaram na defesa dos mesmos os advogados Dr. Carlos Sérgio de Carvalho Barros, Dr. Sócrates Niclevisk e Dr. Eduardo Tobias. 


Fonte: Romério Carvalho

Petrobras reduz novamente preço da gasolina nas refinarias


A Petrobras anunciou nesta quarta-feira (7) a redução de 0,48% no preço da gasolina em suas refinarias.

O litro do combustível passará de R$ 1,7165 para R$ 1,7082 nesta quinta-feira (8). Essa é a 13ª queda consecutiva no preço da gasolina, desde que ela atingiu o valor de R$ 2,2514 por litro em setembro.

A queda acumulada no preço desde 25 de setembro chega a 24,13%, de R$ 0,54 por litro.

Ontem, a Petrobras havia anunciado corte de 0,74% no preço médio do litro da gasolina A, sem tributo nas refinarias, válido para hoje (7). 


Fonte: Folha Press

3 de novembro de 2018

Estudantes fazem pesquisa para entender relação da mulher com câncer de mama


Laço rosa em referência a Estudantes realizam pesquisa para entender relação da mulher com câncer de mama
O Grupo de Ensino, Pesquisa e Assistência à Mulher Mastectomizada (Gepam), da Universidade Federal do Ceará (UFC), estuda a relação das mulheres com o câncer e a mastectomia. Segundo a coordenadora da pesquisa e professora do departamento de enfermagem da UFC, Ana Fátima Carvalho Fernandes, o conhecimento da doença faz toda a diferença no tratamento.

“Eu sempre estudei essa temática. Eu comecei a treinar estudantes para saber conviver com as mulheres que já tiveram câncer de mama”. Ela comenta que treinou os estudantes para saber conviver com as mulheres que já tiveram câncer de mama.

A pesquisadora explica que, mesmo com as alterações que a mastectomia provoca no corpo da mulher, é a queda de cabelo que mais mexe com a autoestima da paciente. “A alopecia é um estigma. Quando as pessoas olham para aquela mulher, já associa a câncer”.

O Gepam trabalha em parceria com a associação “Toque de vida”, também da UFC, atendendo e preparando mulheres para conhecer o próprio corpo. “Eu formo os estudantes para saber responder perguntas de fatores de risco que as mulheres querem saber”.

A professora ainda comenta a necessidade do conhecimento do próprio corpo. “A gente não quer que a mulher não que a mulher detecte o tumor ao tocar-lo porque ele ao se tocado é muito grande”. Para a pesquisa, foram realizados questionários com 133 participantes para entender como as mulheres enxergam a própria situação e a esperança de vida.


Fonte: Tribuna do Ceará

31 de outubro de 2018

Ciro Gomes diz ter sido "miseravelmente traído" por Lula e que PT elegeu Bolsonaro

Candidato derrotado à Presidência nas eleições deste ano, Ciro Gomes (PDT) afirmou que foi "miseravelmente traído" pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e disse que o PT foi responsável pela eleição de Jair Bolsonaro (PSL) no último domingo, 28. O político deu declarações em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo pela primeira vez desde o segundo turno. Ciro ainda revelou que não quer mais fazer campanha para o PT, justificando seu não posicionamento.


"Fomos miseravelmente traídos. Aí, é traição, traição mesmo. Palavra dada e não cumprida, clandestinidade, acertos espúrios, grana. Pelo ex-presidente Lula e seus asseclas", declarou Ciro, na entrevista, acusando o PT de ter impedido o apoio do PSB a sua candidatura. "Em nome de que foi feito isso? De qual espírito público, razão nacional, interesse popular? Projeto de poder miúdo. De poder e de ladroeira. O PT elegeu Bolsonaro", complementou.
O pedetista ressaltou que Bolsonaro ganhou por estar na hora e no local certos em meio a um antipetismo generalizado. "O lulopetismo virou um caudilhismo corrupto e corruptor que criou uma força antagônica que é a maior força política no Brasil hoje. E o Bolsonaro estava no lugar certo, na hora certa. Só o petismo fanático vai chamar os 60% do povo brasileiro de fascista. Eu não, de forma nenhuma". Também criticou que Lula está “cercado de bajulador, com todo tipo de condescendências”, e citou como bajuladores Gleisi Hoffmann, Leonardo Boff e Frei Betto.
Ciro Gomes ainda revelou que foi convidado por Lula para assumir a candidatura do PT no local de Fernando Haddad, mas que ele negou o convite e que se considerou "insultado". "Esses fanáticos do PT não sabem, mas o Lula, em momento de vacilação, me chamou para cumprir esse papelão que o Haddad cumpriu. E não aceitei. Me considerei insultado", apontou.



O político falou também sobre a declaração que tinha feito anteriormente de que, se Bolsonaro fosse eleito, ele sairia da política. “Não sei se serei mais candidato, mas não posso me afastar agora da luta. O País ficou órfão”, disse, não dando certeza se seria candidato em 2022. "Quero fundar um novo campo, onde para ser de esquerda não tem de tapar o nariz com ladroeira, corrupção, falta de escrúpulo, oportunismo. Isso não é esquerda. É o velho caudilhismo populista sul-americano", declarou, já no fim da entrevista.

Fonte: O Povo Online

Zé Filho toma posse para novo mandato na diretoria da CNI

Nesta terça-feira (30), o presidente da Federação das Indústrias do Piauí - FIEPI, Antonio José de Moraes Souza Filho (Zé Filho), tomou posse para novo mandato, no cargo de 2º Diretor Secretário da Confederação Nacional da Indústria – CNI. Zé Filho foi empossado durante Reunião de Diretoria realizada na sede da CNI,em Brasília, junto aos demais integrantes da chapa eleita. 
Na oportunidade foi tratado dos assuntos estratégicos com apresentação das propostas do futuro governo na área internacional e apresentação sobre o novo cenário político estadual pós-eleições, e a nova composição do Congresso Nacional. Durante a noite será realizada a entrega do “Grande Colar da Ordem do Mérito Industrial da CNI” ao Presidente da República, Michel Temer no Salão de Eventos da CNI.
Na presidência da CNI, Robson Andrade foi reeleito por unanimidade pelo Conselho de Representantes da entidade, composto por delegados de federações das indústrias dos estados e do Distrito Federal, para comandar a CNI no período de 2018 a 2022.
A chapa eleita é composta por cinco vice-presidentes executivos, representando cada uma das regiões do país. São eles o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), Paulo Skaf; o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), Antonio Carlos da Silva; o presidente da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (FIEP), Francisco de Assis Gadelha; o membro do Conselho de Representantes da CNI, na qualidade de delegado da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (FIEG), Paulo Afonso Ferreira; e o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), Glauco José Côrte.
Diretoria da CNI no período de 2018 a 2022
Durante a votação realizada em maio, o presidente da CNI ressaltou que tratará com prioridade, durante o novo mandato, temas estruturais para o país, como a reforma da Previdência Social e a redução da burocracia. Ele mencionou, na ocasião, as propostas do Mapa Estratégico da Indústria 2018-2022, e destacou que o próximo governo precisará adotar medidas reestruturantes para o país voltar a crescer e a gerar empresas. “As reformas econômicas e institucionais são imprescindíveis para alcançarmos novos patamares de competitividade e de produtividade”, afirmou.

29 de outubro de 2018

No Twitter, Haddad deseja sucesso a Bolsonaro

O candidato derrotado no segundo turno, Fernando Haddad (PT), escreveu uma mensagem em sua conta no Twitter nesta segunda-feira (28) para desejar sucesso ao presidente eleito, Jair Bolsonaro(PSL).

Haddad também disse esperar que o Bolsonaro "estimule o melhor de todos nós". Ele afirmou que escreveu para o novo presidente de "coração leve" e "com sinceridade".

"Presidente Jair Bolsonaro. Desejo-lhe sucesso. Nosso país merece o melhor. Escrevo essa mensagem, hoje, de coração leve, com sinceridade, para que ela estimule o melhor de todos nós. Boa sorte!", escreveu Haddad.

Resultado do segundo turno
Com 55% dos votos válidos, Bolsonaro será o 38º presidente do país. Ele interrompeu um ciclo de vitórias do PT, que ganhou as disputas para o Palácio do Planalto desde 2002.

No discurso da vitória, Bolsonaro afirmou que o novo governo será um "defensor da Constituição, da democracia e da liberdade".


Fonte: G1

28 de outubro de 2018

Jair Bolsonaro derrota PT após 16 anos e é eleito o novo presidente do Brasil


Tânia Rêgo/Agência Brasil
Jair Bolsonaro ocupou cadeira na Câmara dos Deputados desde a década de 1990; Bolsonaro é eleito presidente

Jair Messias Bolsonaro (PSL), de 63 anos de idade, é o novo presidente do Brasil. O resultado foi confirmado às 19h21 pela Justiça Eleitoral após a apuração de 92% das urnas apontarem que o candidato obteve 55,5% dos votos válidos, contra 44,4% de seu adversário, o candidato Fernando Haddad (PT).

Bolsonaro é eleito presidente com mais de 55,2 milhões de votos, contra 44,1 milhões de Haddad. Brancos e nulos somaram 9% na votação deste domingo, que contou com a participação de mais de 147 milhões de eleitores em todo o País e no exterior.

O candidato do PSL já havia sido o mais votado no primeiro turno, no último dia 7, quando obteve pouco mais de 46,8% dos votos válidos, contra 28% de Fernando Haddad.

O novo presidente deve viajar ainda hoje para Brasília . Isso porque, de acordo com a Constituição Federal, a segurança do presidente brasileiro é de responsabilidade do Gabinete de Segurança Instituicional (GSI) e, em sua casa no Rio de Janeiro, o candidato não estaria seguro.

A vitória do capitão da reserva do Exército encerra a sequência de quatro eleições seguidas vencidas pelo Partido dos Tralhadores e se dá após uma campanha marcada por ataque a faca sofrido pelo candidato durante comício em Juiz de Fora (MG). O atentado levou Bolsonaro a ser submetido a duas cirurgias e a passar 23 dias internado. Suas condições de saúde o obrigaram a deixar a agenda de eventos públicos e a concentrar sua campanha nas redes sociais.

Bolsonaro chega ao Palácio do Planalto após conquistar um eleitorado identificado com ideais de direita e conservadores. Sob o lema "Brasil acima de todos, Deus acima de tudo", o deputado federal apostou em discursos em defesa da família, da fé, e de combate à corrupção e à criminalidade para chegar à Presidência.
Deputado desde a década de 1990, Jair Bolsonaro é eleito presidente com discurso conservador
Nascido em 21 de março de 1955, na cidade de Glicério (SP), no interior de São Paulo, Bolsonaro construiu toda sua carreira política no Rio de Janeiro (RJ). Ele serviu ao Exército Brasileiro de 1977 a 1988 quando se aposentou como capitão para assumir o cargo de vereador pela capital fluminense, eleito, na época, pelo Partido Democrata Cristão (PDC).

Dois anos depois, nas eleições de 1990, o ex-militar elegeu-se deputado federal pelo mesmo partido e desde então não saiu mais da Câmara dos Deputados, sendo eleito em mais quatro eleições consecutivas. Bolsonaro, portanto, tem 30 anos de vida pública, mas sempre ocupou cargos no legislativo, sendo as eleições 2018 a sua primeira para um cargo executivo.


Fonte: Ig.com

Pacotes desconhecidos são encontrados no litoral do Piauí

A equipe do Instituto Tartarugas do Delta (ITD) registrou, ontem (27), com ajuda de colaboradores pacotes de origem desconhecida no litoral do Piauí. 

Até o momento foram encontradas seis “caixas” na praia de Atalaia e Peito de Moça. Os pacotes encontrados tem o mesmo perfil dos registrados nas praias de Alagoas. O ITD fez contato com prefeitura de Luís Correia, Chefe da APA Delta do Parnaíba, Companhia Independente de Policiamento Turístico (CIPTUR) e técnicos do IBAMA para comunicar sobre a ocorrência e solicitar orientações.

Com o apoio da prefeitura de Luís Correia os pacotes foram recolhidos da praia ainda pela manhã e encaminhados para aguardar maiores informações sobre laudo técnico das análises realizadas pela equipe do IBAMA de Alagoas e Polícia Federal, para maiores encaminhamentos e /ou descarte mais adequado.
As orientações sobre o manejo e destino temporário do material até a conclusão das perícias foi recomendado pelo setor de emergências ambientais do IBAMA de Brasília. Essa recomendação foi passada aos Estados onde o material encostou.

De acordo com Roseane Galeno, técnica da prefeitura de Luís Correia, o IBAMA de Alagoas informou que o Perito da Polícia Federal na Paraíba informou que trata-se de uma borracha natural utilizada para fabricação de pneus e não apresenta risco.

Caso alguém encontre um desses pacotes, devem fazer contato com o Instituto tartarugas do Delta (86) 99968-0197 para acionar órgãos habilitados para fazer o recolhimento do material e encaminhar para local seguro.


Carol Porto
Instituto Tartarugas do Delta
DRT 1178/PI

27 de outubro de 2018

Pesquisa Datafolha mostra Bolsonaro com 55% e Haddad com 45% na véspera da eleição

FOLHAPRESS - O deputado Jair Bolsonaro (PSL) chegou à véspera do segundo turno da eleição presidencial com 55% das intenções de votos válidos e vantagem de 10 pontos percentuais sobre o ex-prefeito Fernando Haddad (PT), que está com 45%, de acordo com pesquisa concluída pelo Datafolha neste sábado (27).

O levantamento sugere que a diferença entre os dois candidatos se estreitou mais um pouco nos últimos dias, com pequenas oscilações nas suas preferências, dentro da margem de erro do estudo, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. 

Desde quinta-feira (25), quando foi concluída a sondagem anterior do instituto, Bolsonaro oscilou negativamente, de 56% para 55% das intenções de votos válidos, sem contar eleitores indecisos e dispostos a votar em branco ou nulo. Haddad oscilou positivamente, de 44% para 45%.

A diferença entre os dois finalistas da corrida presidencial chegou a 18 pontos percentuais há nove dias. Apesar da perda de apoio desde então, Bolsonaro conservou a maior parte dos seguidores que conquistou com a onda conservadora que lhe deu impulso na primeira fase da campanha.

Segundo o Datafolha, 8% dos eleitores estão inclinados a votar em branco ou anular o voto e 5% dizem que ainda não sabem em quem votar. Somados, os eleitores sem candidato representam 13% do eleitorado. 

O Datafolha fez 18.371 entrevistas em 340 municípios na sexta (26) e neste sábado. A pesquisa foi contratada pela Folha e pela TV Globo, e foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR-02460/2018.

O levantamento sugere que a maioria dos eleitores estão decididos e poucos deixaram para definir o voto neste domingo (27). Segundo o Datafolha, 94% dos apoiadores de Bolsonaro e 93% dos que votam em Haddad dizem estar totalmente decididos.

Entre os eleitores que pretendem votar em branco ou anular o voto, 23% disseram que ainda podem mudar de ideia até a votação. Mesmo que todos optassem por Haddad na última hora, os votos seriam insuficientes para eliminar a diferença que separa Bolsonaro e o petista.

Haddad chegou ao fim da campanha despertando maior antipatia no eleitorado do que Bolsonaro. Segundo o Datafolha, 52% dos eleitores dizem que não votariam no petista de jeito nenhum. A taxa de rejeição de Bolsonaro é de 45%.

FONTE: FOLHAPRESS