Páginas

24 de outubro de 2014

Governador antecipa feriado do Dia do Servidor para segunda (27)

O Governador do Estado do Piauí, Antônio José de Moraes Souza Filho, assinou decreto antecipando o feriado do Dia do Servidor, que é comemorado no dia 28 de outubro, para segunda-feira, dia 27.
A antecipação é aplicada a todos os servidores públicos estaduais das repartições da Administração Direta e Indireta. O decreto publicado no Diário Oficial desta sexta-feira (24).
Os serviços essenciais do Estado não serão afetados, ficando a critério dos órgãos competentes o planejamento a respeito da prestação dos mesmos.


Fonte: CCom

Aécio lidera com nove pontos de vantagem sobre Dilma

Pesquisa ISTOÉ/Sensus mostra que o candidato do PSDB chega à reta final da campanha com 54,6% das intenções de voto, enquanto a petista soma 45,4%


14983235364_cd8a5e56b2_o.jpg
Pesquisa ISTOÉ/Sensus realizada a partir da terça-feira 21 reafirma a liderança de Aécio Neves (PSDB) sobre a petista Dilma Rousseff nos últimos dias da disputa pela sucessão presidencial. Segundo o levantamento que entrevistou 2 mil eleitores de 24 Estados, o tucano soma 54,6% dos votos válidos, contra 45,4% obtidos pela presidenta Dilma Rousseff. Uma diferença de 9,2 pontos percentuais, o que equivale a aproximadamente 12,8 milhões de votos. A pesquisa também constatou que a dois dias das eleições 11,9% do eleitorado ainda não decidiu em quem votar. “Como no primeiro turno, deverá haver uma grande movimentação do eleitor no próprio dia da votação”, afirma Ricardo Guedes, diretor do Instituto Sensus. Se for considerado o número total de votos, a pesquisa indica que Aécio conta com o apoio de 48,1% do eleitorado e a candidata do PT 40%.
Aécio Neves seria eleito presidente do Brasil se a eleição fosse hoje, afirma Sensus
 
De acordo com Guedes, a pesquisa realizada em cinco regiões do País e em 136 municípios  revela que o índice de rejeição à candidatura de Dilma Rousseff se mantém bastante elevado para quem disputa. 44,2% dos eleitores afirmaram que não votariam na presidenta de forma alguma. A rejeição contra o tucano Aécio Neves é de 33,7%. Segundo o diretor do Sensus, a taxa de rejeição pode indicar a capacidade de crescimento de cada um dos candidatos. Quanto maior a rejeição, menor a possibilidade de crescimento. Outro indicador apurado pela pesquisa Istoé/Sensus diz respeito á votação espontânea, quando nenhum nome é apresentado para o entrevistado. Nessa situação, Aécio também está à frente de Dilma, embora a petista esteja ocupando a Presidência da República desde janeiro de 2011. O tucano é citado espontaneamente por 47,8% dos eleitores e a petista por 39,4%. 0,2% citaram outros nomes e 12,8% disseram estar indecisos ou dispostos a votar em branco.
 
Para conquistar os indecisos as duas campanhas apostam as últimas fichas nos principais colégios eleitorais do País: São Paulo, Minas e Rio de Janeiro. O objetivo do PSDB e ampliar a vantagem obtida em São Paulo no primeiro turno e procurar virar o jogo em Minas e no Rio. Em São Paulo, Aécio intensificou a campanha de rua, com a participação constante do governador reeleito, Geraldo Alckmin, e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. De acordo com as pesquisas realizadas pelo comando da campanha de Aécio, em Minas o tucano já estaria na frente de Dilma e a vantagem veio aumentando dia a dia na última semana. Processo semelhante ocorreu em Pernambuco, depois de Aécio receber o apoio explícito da família de Eduardo Campos e do governador eleito, Paulo Câmara. Os mesmos levantamentos indicam que no Rio de Janeiro a candidatura do senador mineiro vem crescendo, mas ainda não ultrapassou a presidenta. Para reverter esse quadro, Aécio aposta no apoio de lideranças locais, basicamente de Romário, senador eleito pelo PSB, que deverá acompanhá-lo nos últimos atos de campanha. Para consolidar a liderança, Aécio tem usado os últimos programas no horário eleitoral gratuito para apresentar-se ao eleitor como o candidato da mudança contra o PT. Isso porque, as pesquisas internas mostram a maior parte do eleitor brasileiro se manifesta com o desejo de tirar o partido do governo.
 
No comando petista, embora não haja um consenso sobre qual a melhor opção a ser colocada em prática nos dois últimos dias de campanha, a ordem inicial é a de continuar a apostar na estratégia de desconstrução do adversário. Nas duas últimas semanas, o que se constatou é que, ao invés de usar parlamentares eleitos para esse tipo de ação – como costumava fazer o partido em eleições passadas -- os petistas escalaram suas principais lideranças para a missão, inclusive o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a própria candidata. Os petistas apostam no problema da falta d’água para tirar votos de Aécio em São Paulo e numa maior presença de Dilma em Minas para procurar se manter á frente do tucano no Estado.   
 
PESQUISA ISTOÉ/Sensus
 
Realização – Sensus
Registro na Justiça Eleitoral – BR-01166/2014
Entrevistas – 2.000, em cinco regiões, 24 estados e 136 municípios do País
Metodologia – Cotas para sexo, idade, escolaridade, renda e urbano e rural
Campo – De 21 a 24 de outubro
Margem de erro - +/- 2,2%
Confiança – 95%
 
Fonte: ISTOÉ

Ipea contradiz governo e admite recessão técnica do Brasil


Segundo instituto de pesquisas, desaceleração econômica tem pouco a ver com uma crise internacional e está mais ligado à fraca demanda doméstica e à redução dos investimentos na produção

Ipea: "recessões técnicas só ocorreram em momentos em que o país foi atingido por choques negativos importantes"
O fraco desempenho da economia brasileira, em recessão técnica, tem pouco a ver com uma crise internacional e está mais ligado à desaceleração da demanda doméstica e à redução dos investimentos na produção. A visão, contrária aos argumentos da presidente Dilma Rousseff e do ministro da Fazenda, Guido Mantega, não vem da oposição ao governo, mas de uma ampla análise do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).
Divulgada sem alarde no site do Ipea, a Carta de Conjuntura derruba dois dogmas do discurso do governo federal. O Ipea reconhece a "recessão técnica", ou seja, a queda da atividade econômica por dois trimestres consecutivos. O governo rejeita esse conceito. "Este resultado (do 2º trimestre) configurou um cenário de recessão técnica, uma vez que o Produto Interno Bruto (PIB) já tinha caído 0,2% no trimestre anterior", diz no documento.
O instituto, vinculado à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência (SAE), também nega que a crise mundial seja a única explicação para o fraco resultado do PIB registrado ao longo dos últimos quatro anos.
A análise, assinada pela Diretoria de Estudos e Política Macroeconômicas, sai em um momento de crise interna no Ipea e de adiamento na divulgação de indicadores negativos para a economia às vésperas da eleição. Na semana passada, o diretor de Estudos e Políticas Sociais, Herton Araújo, pediu demissão após ser voto vencido em reunião da cúpula do Ipea que decidiu não divulgar análises com dados públicos durante o período eleitoral. Na ocasião, Araújo defendia a divulgação de estudo sobre miséria a partir de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) do IBGE.
Agora, a nova Carta de Conjuntura coloca ainda mais lenha na fogueira no debate político, partindo de análises econômicas. "Ao contrário de outros períodos em que o PIB caiu por dois trimestres consecutivos (por exemplo, 1998-1999, 2001, 2003 e 2008-2009), o momento atual não se caracteriza por crises externas, flutuações bruscas nos preços macroeconômicos e/ou "apagões" energéticos", escrevem os analistas do Ipea. "A inexistência de culpados óbvios, isto é, de 'choques negativos' de grande monta, torna ainda mais significativo o fenômeno da estagnação econômica recente."
Os economistas citam especificamente as últimas quatro crises vividas internamente, que deprimiram o PIB brasileiro. Entre 1998 e 1999, no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), a economia sofreu os abalos da crise na Rússia e, na sequência, da maxidesvalorização do real, em janeiro de 1999. Dois anos depois, em 2001, o PIB recuou forçado pelo racionamento de energia no governo FHC, o chamado "apagão". Em 2003, a economia reagiu mal à brusca desvalorização do real, contaminado pela radicalização do período eleitoral do ano anterior. Finalmente, entre o fim de 2008 e o começo de 2009, o Brasil foi atingido pela explosão da crise econômica mundial, nos Estados Unidos e na Europa.
"Reitere-se que, nas últimas décadas, recessões técnicas só ocorreram em momentos em que o país foi atingido por choques negativos importantes", afirmaram os analistas do Ipea.
Trabalho - O Ipea destaca que, "ainda que o quadro atual de baixo crescimento econômico seja obviamente indesejável, cumpre ressaltar que seus efeitos negativos têm sido mitigados pelo fato de a taxa de desemprego permanecer baixa e dos rendimentos reais continuarem crescendo". O bom ritmo do mercado de trabalho tem suavizado os problemas macroeconômicos e mantido um nível geral de atividade que impede que o PIB recue a zero. Depois de crescer 2,7% em 2011; 1% em 2012 ; e 2,5% em 2013, o PIB deve fechar em cerca de 0,3% neste ano, segundo projeções do mercado financeiro. Na média, o governo Dilma Rousseff deve encerrar com um avanço do PIB de 1,6% do PIB.
Inflação e saúde fiscal - Quanto ao desempenho da inflação, o Ipea reconhece que o cenário de aumento de preços no Brasil "vem se mantendo pressionado, em patamar elevado". De acordo com os economistas, o índice oficial (IPCA) fechará o ano em um nível superior aos 5,91% verificados em 2013. Isto é, estará ainda mais próxima do teto da meta perseguida pelo Banco Central, de 6,5%.
O Ipea também cita os atrasos nos repasses do Tesouro aos bancos, notadamente a Caixa Econômica Federal, no âmbito dos programas sociais e previdenciários, as chamadas "pedaladas fiscais". Esses adiamentos reduziram artificialmente as despesas federais. Só depois da revelação da manobra, o Tesouro começou a corrigir o problema, que piorou o resultado fiscal do governo federal. Em paralelo, o Ipea assinala que houve "elementos incomuns do lado das despesas", sendo os mais relevantes os pagamentos de abono e seguro-desemprego, que mais que dobraram, em termos reais, em relação aos registrados em agosto de 2013.

Fonte: Veja.com / Com Estadão Conteúdo

CHARGE DO DIA

charge
Fonte: DN

CLÍNICA VIVER CUIDANDO BEM DA SAÚDE DA SUA FAMÍLIA, AGENDE SUA CONSULTA

23 de outubro de 2014

STF mantém valores de indenização do seguro Dpvat


O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu manter o valor atual de indenização paga em casos de acidente de trânsito pelo Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Dpvat). Por 9 votos a 1, os ministros entenderam que o Poder Executivo pode alterar o valor do seguro com base em medida provisória (MP). Mais de 700 processos sobre o assunto estão parados em todo o Judiciário à espera do julgamento no Supremo.

O pagamento do Dpvat é obrigatório a todos os proprietários de veículos. O seguro cobre danos por morte, invalidez permanente, ambos de R$ 13,5 mil, e reembolso de despesas médicas causadas pelo acidente, até R$ 2,7 mil.

Outra decisão que envolve o Dpvat foi proferida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). De acordo com decisão da Terceira Turma, os honorários dos médicos podem ser incluídos na indenização.
 
 
Fonte: Agência Brasil

Aécio: Pela campanha que fez, Dilma 'já é uma derrotada'


Candidato do PSDB diz que ex-presidente Lula "sai menor" da campanha "mais sórdida" desde a redemocratização
O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, concede entrevista coletiva em Belo Horizonte
O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, reagiu nesta quinta-feira com confiança à divulgação de pesquisa Datafolha em que aparece com 47% dos votos válidos, seis atrás da presidente-candidata Dilma Rousseff (PT). É o primeiro levantamento em que a petista aparece com vantagem acima da margem de erro. Para o tucano, porém, a presidente “já é uma derrotada pela campanha que se permitiu fazer”.

“As pesquisas servirão de entusiasmo para os companheiros que achavam que a coisa caminhava com naturalidade. A candidata oficial já é uma derrotada independentemente do resultado eleitoral, pela campanha que se permitiu fazer”, afirmou Aécio em entrevista no comitê de campanha do Rio de Janeiro.

Ao abordar os últimos episódios de baixaria contra a candidatura do PSDB, como as mensagens telefônicas enviadas para aterrorizar beneficiários do Bolsa Família e panfletos apócrifos com acusações injuriosas, Aécio ressaltou que é alvo de uma “campanha sórdida e criminosa” promovida pelo PT. “A responsabilidade vai vencer as informações caluniosas e criminosas que vem sendo disseminadas. Quem age de forma tão sórdida não está preparado para a democracia e teme o resultado das eleições. O Brasil não merece ter uma disputa desse nível”, afirmou.

Aécio lamentou a atuação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que passou a promover atos de campanha para proferir as mais baixas apelações contra o candidato tucano. O presidenciável do PSDB avalia que o ex-presidente termina a campanha “como uma figura menor da política brasileira”.

“O ex-presidente Lula sai dessa campanha como uma figura menor da política brasileira. Pelo que ele dizia de outros adversários, essas acusações são elogios, mas apenas o apequenam. É lamentável ver o ex-presidente da República se sujeitando a cumprir esse papel em uma campanha sórdida e criminosa”, afirmou.

Aécio pediu aos eleitores que se vistam com as cores do Brasil no domingo e disse ter certeza de que o “sentimento de mudança vai ser efetivado”. “Nas próximas 48 horas da reta vamos estar com os companheiros mobilizados. O sentimento de mudança vai ser efetivado no dia 26 de outubro”, afirmou.

Diante da artilharia petista, Aécio pretende se defender de acusações caluniosas, mas promete ficar concentrado na apresentação de propostas até o fim da campanha. Nesta quinta-feira, ele reiterou compromissos com as mulheres e a educação no país. Prometeu manter creches abertas até 20h e garantir em lei que a licença-maternidade seja contabilizada somente a partir da data de alta de recém-nascidos que tenham de ficar hospitalizados.


Fonte: Veja.com

Prefeito dá aumento aos professores e piso salarial municipal fica acima do nacional


O Professor ‘Classe A’, 40 horas vai passar a receber R$ 2.000,00, quando o piso nacional é de R$ 1.697,36. Outro grande benefício é que o Professor classe A (médio pedagógico) quando mudar para classe B (licenciatura) terá um aumento de 30% e da classe B para a C (especialista na área da educação) terá um aumento de 8%. Essa medida visa incentivar o Professor a se qualificar e assim ofertar uma educação de melhor qualidade ao aluno. Sem esquecer que o Município já vinha pagando o Piso Nacional aos professores.

Como se pode observar há em curso uma verdadeira revolução silenciosa na área da educação em Buriti dos Lopes, que passa a ser o Município da região Norte do Piauí que melhor paga seus professores, com a medida o Prefeito Municipal Bernildo Val garante um salário digno aos professores e valoriza a educação.
 

Fonte: ASCOM 

Governo Dilma 'segura' divulgação de dados negativos para não prejudicar campanha

Dilma: números comprometedores, só depois de domingo
Dilma: números comprometedores, só depois de domingo (Gabriel Garcia Soares/Estadão Conteúdo)
O governo federal adia a divulgação de indicadores sobre economia e educação pelo temor de que números negativos possam prejudicar a campanha da presidente-candidata Dilma Rousseff (PT). Em meio à acirrada disputa presidencial, os brasileiros chegarão às urnas no próximo domingo, portanto, sem conhecer o resultado da arrecadação de impostos e contribuições federais em setembro e da reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN). Reportagem do jornal Folha de S. Paulo relata nesta quinta-feira que o desempenho dos alunos da educação básica em provas de português e matemática também será um mistério até 26 de outubro.
Na semana passada, uma decisão inédita tomada pela direção do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), de proibir a publicação de estudos realizados pelos pesquisadores envolvendo dados públicos divulgados entre julho e o fim das eleições presidenciais, deu origem a mais uma crise interna. O diretor de estudos e políticas sociais do Ipea, Herton Araújo, colocou seu cargo à disposição por discordar da definição da cúpula do Instituto e pediu sua exoneração. Não se trata do primeiro estudo preso nas gavetas do Ipea. O site de VEJA revelou, em setembro, que o Instituto havia engavetado outro levantamento, desta vez, feito com base nos dados das declarações de Imposto de Renda de brasileiros, e que mostrava que a concentração de renda havia aumentado no Brasil entre 2006 e 2012. A tese, curiosamente, contraria o discurso recorrente dos governos petistas. 
Depois de atrasar a divulgação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb)relativos a 2013 no primeiro turno, o governo federal acabou por liberar o resultado do indicador – que mede a qualidade do ensino nos ciclos fundamental (1º a 9º ano) e médio de escolas públicas e privadas de todo o Brasil – sem detalhar o resultado dos alunos em cada âmbito, relata a Folha. Logo, não é possível saber qual o desempenho dos estudantes em português e matemática.
Os dados conhecidos revelam que há estagnação nas duas etapas. Nos anos finais do fundamental e no médio, todos os indicadores gerais ficaram abaixo das metas previstas: isso inclui as médias nacional e das redes públicas (estaduais e municipais) e privadas. A exceção foi registrada nos anos iniciais do ensino fundamental, em que a única constatação negativa ficou na rede privada, que não atingiu a meta estabelecida.
Economia – Embora rejeite relação com a eleição, o governo ajustou o calendário de divulgação de dados econômicos de setembro para depois da votação. Ninguém quer repetir o chamado "efeito ovo". O episódio foi provocado pelo secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland, ao recomendar a troca de carne bovina por ovos ou frango por causa da inflação. A declaração foi usada na TV pelo candidato Aécio Neves (PSDB). Em resposta, Dilma teve de desautorizar publicamente o secretário.
A previsão é de que os dados sobre arrecadação, que não devem vir favoráveis, sejam divulgados na próxima quarta-feira, dia 29. Os números são tradicionalmente divulgados mais cedo, mas, mesmo assim, a Receita nega que a decisão tenha relação com a realização do segundo turno no próximo domingo. No ano passado, a divulgação dos dados ocorreu no dia 22 de outubro. Este ano, o anúncio ficou para os últimos dias do mês apenas em abril. Vale lembrar que na próxima terça-feira não deve haver expediente no Ministério da Fazenda por causa do feriado do Dia do Servidor Público.
A divulgação dos dados da dívida pública federal será na segunda. A reunião do CMN foi adiada do dia 23, segundo constava no site do Banco Central, para o dia 30. A assessoria do BC informou que a data original foi escolhida, em princípio, para evitar proximidade com a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), marcada para terça e quarta. A mudança teria sido ocasionada por questões de agenda.
‘Paradeira geral’ - O resultado desfavorável da arrecadação nos últimos meses tem dificultado o fechamento das contas do governo. A Receita esperava, no início do ano, um crescimento real de 3% em relação a 2013. Mas já reduziu a 1%, mesmo com o reforço de receitas extras, como o Refis. Em razão disso, as contas públicas devem registrar novo déficit primário em setembro. Técnicos do governo afirmam que "está uma paradeira geral" na área econômica nesta semana. Há decisões importantes que precisam ser tomadas até o fim do ano. A principal é a estratégia para a política fiscal. Com a piora das contas públicas em setembro, cujo anúncio ficou para a próxima semana, o governo terá de decidir se mudará a meta de superávit primário fixada para 2014 na Lei de Diretrizes Orçamentárias. Uma fonte disse ao jornal O Estado de S. Paulo que a discussão está parada à espera do resultado das eleições.

Fonte:  Veja.com / Com Estadão Conteúdo

Primeira-dama da Paraíba se opõe a Dilma e critica Chico Buarque

Pâmela Bório (Foto: Divulgação)
Pâmela Bório (Foto: Divulgação)
O governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), encabeça a campanha de reeleição da presidente Dilma Rousseff em seu estado. Mas um voto ele não conseguiu conquistar. E foi logo o de sua mulher. Nas redes sociais, a  primeira-dama e jornalista Pâmela Bório passou a divulgar mensagens críticas à presidente Dilma Rousseff e contrárias a sua reeleição. Disse Pâmela Bório no Instagram: "Votei em Marina (Silva, presidenciável do PSB) e continuo com afinidade de pensamento dela". No segundo turno, Marina  declarou apoio a Aécio Neves. Respondendo a uma seguidora, afirmou: "Eu não sou vaca para precisar de aboio... Sou conduzida apenas pela consciência, conhecimento e percepção pessoal. O voto é meu, não é de marido, de mãe, de irmão, de amigo...". A polêmica começou quando Pâmela Bório criticou a declaração de apoio a Dilma feita pelo músico Chico Buarque. Também no Instagram, ela publicou uma imagem intitulada "Por que Chico Buarque bajula tanto DIlma?". As repostas incluem o fato de Ana Hollanda, irmã do compositor, ter sido ministra de Dilma e de o governo ter concedido incentivos da Lei Rouanet para sua sobrinha Bebel Gilberto, seu genro Carlinhos Brown e sua namorada Thaís Gulin. Diante do questionamento e de críticas de seus seguidores, Pâmela disse: "Eu só informei sobre os vários motivos que Chico têm para declarar voto em Dilma, qual o problema disso? Esquecem que sou jornalista?". Em outro, deixa claro que não votará na presidente. "Por isso eu fui às ruas no ano passado, junto com milhares de brasileiros pela mudança. Já são 12 anos de PT!", escreveu.


Fonte: Época / Felipe Patury

Rota das Emoções mostra belezas naturais e atrativos no Reino Unido

gRealizada todos os anos em Londres, a World Travel Market (WTM) é considerada o maior evento do mercado no Reino Unido e um dos maiores da indústria do turismo mundial. Em 2014, a feira acontece de 3 a 6 de novembro e, a convite da Embratur, a Rota das Emoções estará presente, apresentando suas belezas naturais e demais atrativos. Três empresários do Ceará, Piauí e Maranhão participam da iniciativa divulgando os empreendimentos do roteiro.
De acordo com a gestora da Rota no Ceará, Suilany Teixeira, a ideia da participação na WTM é intensificar a promoção do roteiro no mercado internacional, prospectando novos operadores para a comercialização do destino. "O Reino Unido e a Europa, como um todo, apresentam um potencial de compra elevado para o tipo de produto turístico que a Rota das Emoções oferece. Para o roteiro, é estratégica a conquista dessa fatia de mercado e por isso essa feira é de grande importância já que promove o contato direto com profissionais de viagens internacionais", explica Suilany.
O WTM é um evento "business to business" e apresenta uma gama diversificada de destinos e setores da indústria do turismo para o Reino Unido e seus agentes e operadores de viagens. São mais de 50 mil profissionais do setor e cerca de cinco mil expositores internacionais. A expectativa é de que o evento gere um volume de negócios de mais de 2,2 bilhões de libras esterlinas.
"É uma oportunidade única para os pequenos negócios que fazem parte da Rota das Emoções realizarem negócios, trocarem experiências, fazerem networking e estar em contato com as últimas novidades sobre o desenvolvimento do setor", destaca a gestora da Rota no Ceará.
Capacitação
Nos dias 14 e 15 de outubro, a Rota das Emoções, em parceria com a BWT Operadora, realizou uma capacitação em Manaus com agentes e operadores de turismo locais. Participaram cerca de 30 profissionais da área comercial das mais importantes empresas de viagens da capital amazonense. A ideia era preparar esses agentes para que vendam com propriedade o roteiro integrado e, dessa forma, estimular o aumento da demanda de manauaras pelo destino.
De acordo com Suilany Teixeira, a parceria com a BWT surgiu em um famtour realizado com agentes e operadoras por ocasião do segundo Salão de Turismo da Rota das Emoções. A operadora, que abriu recentemente uma filial em Manaus, manifestou interesse em capacitar seus vendedores no roteiro integrado e para viabilizar essa capacitação mobilizou outras empresas da cidade para ampliar o alcance do treinamento, convidando 50 agências locais.
"Foi uma grata surpresa ver o interesse desse mercado emissivo. O manauara tem um alto poder aquisitivo e lá eles não têm opção de turismo de sol e praia. Um dos locais preferidos deles é Fortaleza e a ideia é incentivar que eles permaneçam mais tempo no Ceará, estendendo a viagem pela Rota das Emoções, incluindo o Piauí e o Maranhão no passeio", explica.
"Para a BWT Operadora, essa é uma parceria importante, pois é uma forma de promover outros Estados próximos ao Ceará - destino bastante procurado pelos amazonenses. Dessa forma, podemos ofertar ao viajante um roteiro de cinco a oito noites que passa por três Estados com cidades praianas como o cliente gosta," afirma Gabriel Cordeiro, executivo da BWT. O treinamento contou com a participação de um consultor do Sebrae e empresários de cada Estado da rota.

Fonte: Diário do Nordeste

22 de outubro de 2014

Romário declara apoio a Aécio e grava para a TV

Romário:apoio no segundo turno
Depois de muitas negociações e recuos, Romário finalmente decidiu apoiar Aécio Neves. Ontem, os dois selaram o acordo.
Romário gravou hoje em Brasília, sem alarde, um depoimento que será exibido amanhã à noite, no programa de TV do tucano.
Romário, eleito senador com 4,6 milhões de votos no Rio de Janeiro, é visto na campanha de Aécio como um trunfo para a busca de votos nestes últimos dias no terceiro maior colégio eleitoral do Brasil.

Por Lauro Jardim / Veja.com

Aécio: Lula 'apequena sua biografia' ao promover baixaria


Candidato do PSDB tem sido atacado diariamente pelo ex-presidente, que assumiu o papel de capitanear a baixaria na reta final da campanha
O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, concede entrevista coletiva em Belo Horizonte
O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, criticou nesta quarta-feira o papel desempenhado pelo ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva na reta final das eleições deste ano. Desde o último final de semana, Lula tornou-se protagonista da baixaria promovida contra o PSDB. 
“O Lula não está disputando a eleição, eu o ignoro. Mas lamento apenas que um ex-presidente da República se permita cumprir um papel tão inexpressivo como o que ele vem cumprindo no final dessa campanha eleitoral”, disse Aécio, numa rara menção ao petista. “É triste para sua própria biografia. Só quem perde com isso é ele, que apequena sua biografia com ataques torpes e absurdos”, completou.
Embora não seja candidato a nenhum cargo nas eleições deste ano, Lula tem feito ataques pessoais a Aécio, a quem chamou de "filhinho de papai" e insinuou que agride mulheres. "A tática dele é a seguinte: vou partir para a agressão. Meu negócio com mulher é partir para cima agredindo", afirmou Lula em Belo Horizonte no último sábado. O ex-presidente também comparou o tucano a Fernando Collor de Melo, candidato que em 1989 que protagonizou baixarias contra o próprio petista e, ironicamente, hoje é seu aliado. Nesta terça, o petista chegou ao ponto de comparar tucanos a nazistas.
Para minimizar o terrorismo eleitoral disseminado pelo PT, Aécio Neves reiterou nesta quarta o compromisso de manter programas sociais, como o Bolsa Família, fortalecer o papel dos bancos públicos, acabar com o aparelhamento da máquina estatal e discutir um mecanismo para acabar com o fator previdenciário. “Nessa reta finalíssima da campanha é hora de reiterarmos alguns compromissos: o primeiro deles é o compromisso de garantir a continuidade dos programas sociais em andamento, em especial do Bolsa Família. O segundo, o compromisso com o fortalecimento dos bancos públicos, com a sua profissionalização e com a valorização dos servidores de carreira. Falo isso, em especial, aos servidores da Caixa Econômica, do Banco do Brasil, do BNDES e de empresas públicas, como os Correios, a Petrobras e a Eletrobras”, disse. “Quero reiterar meu compromisso com os aposentados brasileiros. Vamos rever o fator previdenciário e encontrar uma forma de não impactar e punir os aposentados brasileiros.”
Mais uma vez, Aécio Neves disse ser o “candidato de amplo sentimento de mudança” e afirmou que, diante de todos os ataques, “deixa que as pessoas respondam nas urnas todas essas infâmias”. “A verdade vai vencer a mentira e as propostas vão vencer os ataques. Tenho certeza que o Brasil novo, renovado nos seus valores e nas suas práticas vai vencer o Brasil velho e antigo que é representado hoje por este governo”, declarou. “Essa campanha vai ficar marcada na história do Brasil como a campanha da infâmia por parte dos nossos adversários.”


Fonte: Veja.com / Laryssa Borges, de Brasília 

Transnordestina é retomada no mesmo lugar em que Lula a lançou em 2006

Com assinatura de três ordens de serviço na manhã de ontem, obras da Transnordestina no Ceará serão retomadas nas próximas semanas nos trechos entre os municípios de Missão Velha e Acopiara. Iniciadas em 2006 pelo ex-presidente Lula (PT), ações estavam paradas desde setembro do ano passado.
Segundo a ministra Miriam Belchior (Planejamento), ações estariam atrasadas, pois o Brasil ficou “mais de vinte anos sem fazer obras”. “Nossas empresas não estavam preparadas. Não era questão só de trocar o pneu, tinha de trocar o motor todo. Não tínhamos nem projetos”, diz.
Com 150 km de extensão, o trecho compreende três dos dez lotes que ligam Missão Velha ao Porto do Pecém. Segundo o governador Cid Gomes (Pros), os lotes que ligarão Acopiara até o porto deverão ser anunciados nos próximos meses.
As obras da Transnordestina estavam paradas desde setembro de 2013, quando foi rescindido contrato entre a concessionária Transnordestina Logística S/A com a construtora Odebrecht. De 2006 até este período, obras da ferrovia no Ceará pouco avançaram. O novo contrato será tocado pela construtora cearense Marquise - mesma responsável por obras como o Hospital Regional de Sobral.
A Transnordestina terá mais de 1,7 mil km, gerando atualmente cerca de 3,3 mil empregos. De 2006 até agora, 43% da obra foi executada. Segundo a ministra, novos aditamentos aos contratos preveem multas por descumprimento de prazos, evitando novos atrasos. (CM)

Fonte: Portal O Povo

CHARGE DO DIA

charge
Fonte: DN