Páginas

29 de março de 2016

PMDB rompe oficialmente com governo


Reunião que aprovou rompimento peemedebista com o governo federal, nesta terça-feira
O PMDB anunciou o rompimento oficial com o governo Dilma Rousseff, na tarde desta terça-feira (29), em reunião do diretório nacional da legenda. A votação foi feita por aclamação dos integrantes do partido, com parlamentares levantando em peso favoráveis à medida, que encerra uma aliança rachada desde a reeleição da presidente, em 2014.

A reunião, de menos de cinco minutos, foi presidida pelo senador Romero Jucá (PE), que assumiu o comando do histórico momento do rompimento para evitar maiores constrangimentos entre o vice Michel Temer, presidente nacional do PMDB, e a presidente Dilma Rousseff. 

Atualmente, o partido ocupa seis ministérios: Kátia Abreu (Agricultura), Mauro Lopes (Aviação Civil), Helder Barbalho (Portos), Marcelo Castro (Saúde), Eduardo Braga (Minas e Energia) e Celso Pansera (Ciência). Ovacionada pelos peemedebistas com gritos de "fora PT", a moção que aprovou o fim da aliança de 13 anos entre os partidos também inclui a entrega de todos os cargos do PMDB no governo federal. 

No encontro, na Câmara dos Deputados, estavam presentes vários caciques do partido, incluindo o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – réu no Supremo Tribunal Federal e julgado por quebra de decoro parlamentar por seus pares no Conselho de Ética –, responsável por acatar o pedido de impeachment contra Dilma. Temer (PMDB) e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), no entanto, não compareceram.

Impeachment ganha força
A saída do PMDB da base aliada pode ser considerada a grande derrota sofrida pelo governo em um ano marcado pela abertura do processo de impeachment contra a presidente, duas semanas atrás, e por sucessivos impedimentos a Luiz Inácio Lula da Silva de assumir o cargo de ministro-chefe da Casa Civil – empurrado ao ex-presidente após ele ter sido obrigado a prestar depoimento à Polícia Federal, em 4 de março. 
                                                                                                         Roberto Stuckert Filho/PR/Divulgação
O vice-presidente Michel Temer ao lado de Dilma Rousseff: crise política pode derrubar petista

O rompimento reforça as chances de mais deputados do partido abandonarem o apoio a Dilma, aumentando ainda mais a possibilidade de impeachment da presidente. A previsão é que o processo vá para votação em Plenário em 17 de abril, sendo necessário o apoio de 2/3 dos 513 parlamentares da Câmara para afastar Dilma do cargo.

Presidente nacional do PSDB, Aécio Neves afirmou nesta terça-feira que o desembarque do PMDB, que já tinha muitos deputados apoiando o impeachment, "fecha o caixão da gestão petista". A opinião é compartilhada por lideranças dos principais partidos em atividade no Congresso Nacional, que acreditam em uma debandada geral de apoiadores de Dilma a partir de agora. 

"O impeachment já é inevitável hoje e a saída do PMDB fragiliza ainda mais o governo. Isso pode causar esse efeito dominó, com outros partidos percorrendo a mesma rota de fuga da base aliada", avalia Pauderney Avelino, líder do DEM na Câmara.

A definição peemedebista também fortalece como nunca Michel Temer, primeiro na linha sucessória da presidente – seguido por Cunha e o senador Renan Calheiros, também investigado na Lava Jato. Lideranças da oposição, como o próprio Aécio, já anunciaram comprometimento em colaborar com um eventual governo liderado pelo vice.



Fonte: Ig.com

Nenhum comentário: