Páginas

25 de março de 2016

Moro entra para o ranking dos 50 maiores líderes mundiais da 'Fortune'

Sergio Moro durante evento realizado pela revista "The Economist" no Hotel Grand Hyatt em São Paulo
O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, ocupa a 13ª posição do ranking dos 50 maiores líderes mundiais divulgado pela revista americanaFortune. O juiz paranaense aparece à frente de Bono Vox, vocalista do U2, e dos astros do basquete da NBA Stephen Curry e Steve Kerr, que aparecem empatados no 15º lugar.

A lista é liderada pelo fundador da Amazon, Jeff Bezos. O segundo lugar é da premiê alemã, Angela Merkel, seguida de Aung San Suu Kyi, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz e ministra das Relações Exteriores de Mianmar. O papa Francisco figura no 4º lugar do ranking, seguido de Tim Cook, CEO da Apple. Mauricio Macri, presidente da Argentina, ocupa o 26º lugar.

Ao explicar a inclusão de Moro no ranking, a Fortune considera que o juiz é protagonista de "edição brasileira e real do filme Os Intocáveis". Produzido em 1987, o drama policial americano tem como principal personagem Eliott Ness, um agente que lidera um grupo de policiais no combate ao crime na Chicago dos anos 1930. A revista lembra o risco de impeachment da presidente Dilma Rousseff e a reputação em farrapos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e afirma que "a coexistência passiva com a corrupção endêmica na América Latina está se tornando um hábito do passado".

Dilma e Lula, previsivelmente, não aparecem no ranking deste ano, mas já figuraram em listas pregressas. Em 2015, Dilma foi eleita a 7ª mulher mais poderosa do mundo e a 37ª pessoa mais poderosa do mundo, segundo a revista americana Forbes. Em 2014, Dilma apareceu no 31ª lugar da mesma lista. Em 2009, ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi relacionado como o 11º lugar das 50 personalidades que moldaram a década, de acordo com o jornal britânico Financial Times, e em 2010 encabeçou o ranking de pessoas mais influentes do mundo da revista americana Time.



Fonte: Veja.com

Nenhum comentário: