Páginas

16 de dezembro de 2015

Presos voltam a fazer tumulto em presídio de Parnaíba; PM é acionada

PM volta a ser acionada após briga entre presos na penitenciária de Parnaíba  (Foto: Catarina Costa/G1)
Presos da Penitenciária Mista Juiz Fontes Ibiapina, em Parnaíba, Litoral do Piauí, voltaram a fazer um novo tumulto na tarde desta quarta-feira (16). O presídio já tinha sido palco de uma rebelião que teve início na noite de terça-feira (15) e durou 12 horas. Apesar da situação ter sido controlada, homens da Força Tática da Polícia Militar foram acionados novamente para conter uma briga entre detentos.
Familiares se aglomeraram na porta da Penitenciária Mista de Parnaíba (Foto: Catarina Costa/G1)Familiares se aglomeraram na porta da
Penitenciária Mista  (Foto: Catarina Costa/G1)
Segundo o comandante de policiamento de Parnaíba, houve um desentendimento entre os presos quando eles estavam sendo transferidos para as celas. “Uns detentos de uma ala bateram em rapaz que foi preso suspeito de estupro”, contou o Major Adriano Lucena.

Por conta da briga, a Força Tática e ambulâncias do Serviço do Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foram acionadas e entraram na unidade prisional. Familiares na porta do presídio desde a noite de terça, ficaram apreensivos com a chegada das viaturas. Uma mulher passou mal e chegou a desmaiar.

Maria das Dores Ferreira Melo, aguarda notícia do filho que já cumpriu mais de três anos da pena e já era para ter sido liberado. Ela estava acompanhada da nora e a neta.
"Vou ficar aqui até saber alguma noticia. Os agentes falam que tudo foi resolvido e que agora vão levar eles para as alas. Mas a gente fica apreensivo e prefere continuar aqui", disse.

Mulher passou mal na porta do presídio e foi socorrida pelo Samu (Foto: Catarina Costa/G1)
Maria Luzia dos Santos, também esperava na porta do presídio na esperança de ter informações sobre o irmão preso. "Estou com medo. Não sei o que acontece lá dentro. A polícia continua entrando e ninguém dá informações".

Maria Suely de Almeida, grávida de 8 meses, veio em busca de  informações do marido, preso há 1 ano e 10 meses no semiaberto.

"Cheguei aqui ontem, às 22h. Ouvi tiros, gritos deles e muito fogo. Estou angustiada, porque sei que ele corre perigo lá dentro. Quero ver o meu marido, mas as visitas estão suspensas", relatou.Maria Luzia dos Santos, também esperava na porta do presídio na esperança de ter informações sobre o irmão preso. "Estou com medo. Não sei o que acontece lá dentro. A polícia continua entrando e ninguém dá informações".

Maria Suely de Almeida, grávida de 8 meses, veio em busca de informações do marido, preso há 1 ano e 10 meses no semiaberto.

Início da rebelião
Os mais de 450 detentos da Penitenciária Mista Juiz Fontes Ibiapina iniciaram uma rebelião na noite de terça-feira, atearam fogo em colchões, quebraram cadeados, paredes e grades. O Corpo de Bombeiros foi acionado e somente na manhã desta quarta-feira, 12h após o incêndio, as chamas foram totalmente extintas (Veja vídeo ao lado).
De acordo com o major Rivelino de Moura, quase 100% do presídio foi atingido pelas chamas, mas não houve comprometimento total da estrutura. "Foi um trabalho árduo onde utilizamos muitos militares e água. O fogo foi generalizado porque na mesma medida em que apagávamos, eles voltavam a atear fogo. Mas no início da manhã tudo já estava controlado e a rebelião contida", falou.



Fonte: G1 / PI

Nenhum comentário: