Páginas

8 de dezembro de 2015

Chapa de oposição vence e vai compor comissão do impeachment

Parlamentares batem boca antes de sessão sobre impeachment de Dilma
Com o apoio de 272 deputados, o Plenário aprovou a Chapa 2 para compor a Comissão Especial de análise do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A Chapa 1 obteve 199 votos.
A Chapa 2 é formada, em sua maioria, por deputados que fazem oposição ao governo e tem 39 inscritos. Os outros 26 deputados que precisam ser eleitos para preencher as 65 vagas serão escolhidos em votação complementar, que ocorrerá nesta quarta-feira (9).

Poderão se candidatar apenas deputados dos partidos aos quais cabe a indicação.
Segundo os blocos formados no início da legislatura, faltam ser indicados, no bloco PMDB/PP/PTB/DEM/PRB/SD/PSC/PHS/PTN/PMN/PRP/PSDC/PEN/PRTB, quatro vagas de titulares e 14 de suplentes.
No bloco PT/PSD/PR/PROS/PCdoB precisam ser preenchidas 15 vagas de titulares e 17 de suplentes. Para o bloco PSDB/PSB/PPS/PV há um vaga de titular e 5 vagas de suplentes.
Ao PDT caberá preencher duas vagas de titulares e duas de suplentes. Com um titular e um suplente a preencher, estão os partidos: Psol, PTC, PTdoB e Rede.

Clima de programa de auditório
Deputados favoráveis ao impeachment da presidente Dilma Rousseff comemoraram há pouco a eleição da chapa número 2, que é formada pela oposição e por dissidentes da base governista, incluindo deputados do PMDB.
“Impeachment, impeachment”, gritavam, em coro, deputados que defendem o afastamento da presidente.A chapa oposicionista foi eleita com 272 votos.
Por outro lado, deputados que defendem a permanência de Dilma Rousseff no cargo ergueram faixas com os dizeres: “Não vai ter golpe” e “Quem resistiu à ditadura não tem medo de chantagem”.
Pouco antes do fim da sessão, deputados pró-impeachment cantaram o Hino Nacional, também em coro.

Antes da votação: brigas
O início da sessão da Câmara que vai decidir quem serão os integrantes da comissão especial que vai analisar o impeachment da presidente Dilma Rousseff teve muita confusão. Além das já costumeiras discussões entre situação e oposição, houve empurra-empurra e algumas cabines montadas para a votação foram danificadas. A polícia parlamentar foi chamada, mas até agora não conseguiu acalmar os parlamentares.

Deputados de oposição e governistas chegaram a bater boca em Plenário durante a votação que está ocorrendo de forma secreta. As primeiras informações são de que parlamentares teriam quebrado máquinas de votação e apenas um das cabines está em funcionamento.
Os deputados de oposição defendem a votação secreta, enquanto os governistas querem o voto aberto e chegaram a recorrer ao Supremo Tribunal Federal para garantir a transparência do voto.
No entanto, ainda não há decisão para o mandado de segurança que foi distribuído para o ministro Edson Fachin.

Início da votação
Após tentativas de impedir a votação nas urnas dispostas em cabines de votação, líderes partidários governistas tentaram convencer o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, a suspender a votação da chapa para compor a comissão especial que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O número de cabines foi reduzido porque algumas foram quebradas durante o protesto.
Pouco antes, os deputados Paulo Pimenta (PT-RS) e Paulo Pereira da Silva (SD-SP) discutiram e foram contidos por colegas. Apesar do tumulto, a votação continua nas cabines.


* Com iG São Paulo

Nenhum comentário: