Páginas

19 de outubro de 2015

Varejo reduz desconto e remédios sobem ainda este ano

Estudo mostra que as crianças podem confundir guloseimas com remédios. Professores também estão sujeitos ao erro
Os reajustes no preço dos remédios chegarão antes do esperado para o consumidor. A pressão de custos, como energia e água, e a valorização do dólar encareceram a matéria-prima importada. Com isso, o desconto oferecido a distribuidores e varejistas do setor será cortado, segundo informou diretores de indústrias brasileiras à Folha de S. Paulo. "Nos próximos 60 dias você vai ver que os descontos na porta da farmácia devem desaparecer. A conta vai para o bolso do contribuinte", disse Nelson Mussolini, presidente do Sindusfarma, sindicato que reúne as principais farmacêuticas do país.

A alta nos preços costuma acontecer em abril, logo depois de o governo liberar os aumentos. Com o aumento antecipado, o resultado será uma pressão adicional à inflação deste ano. Quase 90% dos princípios ativos usados nos remédios são importados. "Quando o câmbio era favorável, a indústria adotava uma política agressiva de descontos porque a competição era muito forte. Enquanto o câmbio estiver neste patamar alto, é legítimo que a indústria vá ao distribuidor negociar e reduzir esse desconto", disse Paulo Bernardo, diretor da Interfarma, associação que reúne as multinacionais.

Desde 2003, quando foi definida uma política de controle de preços, o teto dos valores de tabela determinados pelo governo não costuma chegar ao consumidor. Isso acontece porque a concorrência entre empresas sempre estimulou a prática de descontos. No entanto, a crise fez com que esse procedimento ficasse para trás. "Isso [o aumento] será repassado para o preço. A farmácia não tem muita margem de manobra", diz Sergio Mena Barreta, presidente da Abrafarma, associação que reúne grandes redes.


Fonte: Veja.com

Nenhum comentário: