Páginas

19 de agosto de 2015

Vítima de chacina era suspeita de homicídio e monitorada pela polícia

Casa fica destruída depois que seis pessoas da mesma família são mortas em chacina no PI (Foto: Ellyo Teixeira/G1)
Maria do Socorro de Carvalho, 23 anos, uma das vítimas da chacina ocorrida em Alegrete do Piauí na noite da terça-feira (18), vinha sendo monitorada pela polícia por ser suspeita de cometer dois assassinatos na região. Segundo o comandante geral da Polícia Militar do Piauí, Carlos Augusto, a jovem era investigada pelas mortes de um professor, no mês de julho, e de uma amiga dela, em 2012 no município de Padre Marcos.
Corpos foram levados para a cidade de Picos (Foto: Renan Nunes/TV Clube)Corpos foram levados para a cidade de
Picos (Foto: Renan Nunes/TV Clube)
"O professor identificado como George Francisco Carvalho era testemunha do homicídio cometido por Maria do Socorro e ia depor contra ela pela morte da amiga Ciamara Ramos. As duas disputavam pontos de vendas de drogas na região, o que teria motivado o crime", contou.
Na semana passada, a polícia cumpriu mandados de busca e apreensão na casa de Maria do Socorro de Carvalho, que chegou a ser conduzida à Delegacia de Alegrete. Na ocasião, Sildo Cícero de Carvalho, tio da mulher e também uma das vítima da chacina, assumiu ser o proprietário das cinco armas encontradas e liberado após pagar fiança.
Conforme a polícia, Sildo não tinha termo de posse legal das armas: três rifles, e dois revolveres calibres 32 e 38 foram achados na casa.
Balas encontradas pelos policiais no local do crime (Foto: Renan Nunes/TV Clube)Balas encontradas pelos policiais no local
do crime (Foto: Renan Nunes/TV Clube)
Ainda de acordo com o comandante, a vítima da chacina era bem instruída, fazia o quarto período do curso de direito e era formada em pedagogia e teologia. Além dos dois homicídios, ela também era investigada pelo crime de tráfico de drogas.
"Sabemos que ela estava sofrendo ameaças, mas vamos aguardar a apuração da Polícia Civil, responsável pelo caso", destacou Carlos Augusto.
Maria do Socorro estava na sala de casa no povoado Boa Vista, zona rural de Alegrete, com a mãe, os avós, o tio e um primo quando foram surpreendidos a tiros por pessoas ainda não identificadas. De acordo com a polícia, os criminosos chegaram em um carro e efetuaram mais de 30 disparos contra a família. A principal linha de investigação da polícia é que o crime tenha ocorrido por vingança.
"Ela já era envolvida com outras confusões. No entanto, todo o quebra-cabeça que envolve essa chacina só será montado quando a polícia descobrir quais os motivos para esses outros dois assassinatos nos quais a Maria do Socorro é suspeita de participação", falou o comandante do 4º Batalahão de Polícia Militar de Picos, Wagner Torres.
Familiares das vítimas de chacina no Piauí se mostram abalados com crime (Foto: Ellyo Teixeira/G1)Familiares das vítimas de chacina se mostram
abalados com crime (Foto: Ellyo Teixeira/G1)
Prisões
Quatro homens foram presos nesta quarta-feira (19) suspeitos de ter participação na chacina em Alegrete do Piauí. De acordo com o secretário, existem indícios, encontrados no local do crime, que ligam os suspeitos ao crime. Segundo o secretário de segurança, Fábio Novo, os suspeitos foram encontrados na região a partir da investigação da polícia colhendo informações na região e com os vizinhos.

“Algumas pessoas foram conduzidas até a delegacia do município de Fronteiras e estão sendo ouvidas pelo delegado da região. Existem fortes indícios de que essas pessoas possam estar envolvidas no crime porque há elementos encontrados pela perícia na cena do crime que permitem fazer essa ligação”, disse

Perito médico, Enzo Moraes (Foto: Washington Franklin)Perito Enzo Moraes (Foto: Washington Franklin/G1)
Perícia nos corpos
O perito criminal Enzo Morais disse que a quantidade de marcas de disparos encontrados no corpo de Maria do Socorro é um forte indício de que ela seria o principal alvo dos atiradores. "Os corpos estão sendo periciados um a um, mas inicialmente o que podemos constatar é que ela devia mesmo ser o alvo principal", falou.

O crime ocorreu por volta das 20h da terça-feira na comunidade Bela Vista, zona rural de Alegrete do Piauí. Os corpos só foram removidos pelo Instituto Médico Legal (IML) no início da manhã desta quarta-feira (19) e levados para o Hospital Justino Luz em Picos, distante cerca de 100 km.

Vizinho ouviu disparos
Um agricultor vizinho da família contou ao G1 que no momento do crime chegou a ouvir os disparos e ao tentar sair de casa para ir até o local, foi contido pela mulher. Por medo, o homem não quis ter a identidade revelada.

"Poderia ter sido morto também. Eu ai lá tentar ajudar, mas a minha mulher não deixou, me segurou. Depois eu fui até lá e vi que a porta estava aberta e os corpos caídos no chão da sala. Foi horrível o que aconteceu", relatou.
O agricultor disse que foi a primeira pessoa a chegar no local e acionar a polícia.

Fonte: G1

Nenhum comentário: