Páginas

5 de maio de 2015

Homem que atirou em caixão pode responder por dois crimes

Homem pediu para familiares se afastarem e atirou duas vezes contra o caixão do jovem (Foto: Walter Paparazzo/G1)
O homem que invadiu o velório de um jovem e atirou contra o caixão na madrugada desta terça-feira (5), em João Pessoa, pode responder por dois crimes, de acordo com o delegado Reinaldo Nóbrega, da delegacia de homicídios da capital paraibana. Segundo Nóbrega, a delegacia só apura homicídios consumados e tentados, mas devido à particularidade do caso, a superintendência regional da Polícia Civil designou a delegacia de homicídios para ser responsável pela investigação.

O caso aconteceu quando um jovem de 20 anos, baleado no domingo (3) e que morreu na segunda-feira (4), estava sendo velado em uma central de velórios no bairro de Jaguaribe quando um homem chegou no local, pediu para os familiares se afastarem e atirou duas vezes contra o caixão. No estacionamento do local, o homem deu um terceiro tiro pra cima.

O titular da delegacia de homicídios de João Pessoa diz ainda que os esforços da investigação serão em identificar a pessoa suspeita de atirar contra o caixão e de entender as motivações do ato criminoso durante o funeral. “Pode parecer uma conduta simples, mas todos merecem respeito, principalmente a família da vítima”, comentou Nóbrega.Reinaldo Nóbrega explica que o ato de atirar contra o caixão durante um velório se encaixa em dois crimes do Código Penal Brasileiro. “Há, em tese, dois crimes: o de perturbação de cerimônia funerária, que é o artigo 209, e o de vilipêndio a cadáver, que é o crime contra o sentimento aos mortos, de acordo com o artigo 212”, diz o delegado. Somando os dois crimes, a pena máxima pode chegar a até quatro anos.

Investigações
O jovem que estava sendo velado já era investigado pela polícia pelo crime de homicídio há pelo menos cinco meses, mas foi baleado e morreu no hospital antes da polícia concluir a investigação. Segundo o delegado, ele era suspeito de pelo menos três assassinatos e, após o último deles, em dezembro de 2014, o jovem gravou um vídeo segurando uma arma e confessando que havia matando um homem. O vídeo foi divulgado nas redes sociais. “A polícia, de posse do vídeo, enviou o material para análise criminalística e após atestarmos a veracidade das imagens, começamos a investigar o jovem”, disse Nóbrega.

A polícia acredita que o jovem foi morto no domingo como represália de cúmplices do homem que ele matou em dezembro. “Em razão disso [da morte do jovem], pessoas ligadas à vítima tentaram matar os suspeitos do homicídio e por isso, conseguimos realizar duas prisões em flagrante: a do cúmplice do jovem que tentou matar os supostos assassinos e também a pessoa que é suspeita de matar o jovem”, completou o delegado.


Fonte: G1

Nenhum comentário: