Páginas

21 de março de 2015

Em dura crítica, papa diz que corrupção 'fede'

Discurso de papa contra corrupção foi feito em região da Itália que convive com as máfiasEm visita pastoral a Nápoles, o papa Francisco fez uma dura crítica neste sábado (21) à máfia e à corrupção, pedindo para os moradores locais reagirem à presença da Camorra, que atua na região sul do país. "A corrupção fede e a sociedade corrupta fede. Um cristão que deixa a corrupção entrar em si, não é cristão, fede", afirmou o papa, logo ao chegar ao bairro de Scampia, pela manhã.
"Nenhum de nós pode dizer 'nunca serei corrupto'. É uma tentação, um escorregão em direção ao dinheiro fácil, à delinquência, à corrupção. Há tanta corrupção no mundo!", acrescentou.
Scampia é um bairro periférico do norte de Nápoles e tradicionalmente ligado à Camorra, organização mafiosa que atua na venda de drogas e de comércio ilegal. Em seguida, ao celebrar uma missa para cerca de 60 mil pessoas na Praça do Plebiscito, um dos pontos mais famosos de Nápoles, o papa pediu que a população reaja e que os mafiosos se convertam a Deus.
"Caros napolitanos, não deixem que roubem suas esperanças. Não cedam à tentação de dinheiro fácil. Reajam com firmeza às organizações que se aproveitam e corrompem os jovens, os pobres, os necessitados, com o cínico comércio da droga e com outros crimes. Não deixem que a juventude seja aproveitada por essa gente", criticou Francisco.
"Aos criminosos e todos seus cúmplices, eu peço humildemente hoje, como irmão: convirtam-se ao amor e à justiça, deixem se encontrar pela misericórdia de Deus. Sejam conscientes de que Jesus está procurando vocês para amá-los cada vez mais", disse.
Durante sua visita à Nápoles, o líder da Igreja Católica também ouviu relatos de uma imigrantes filipina e de um italiano desempregado, representando dois outros problemas que atingem o sul da Itália: imigração e desemprego.
"Os imigrantes são como nós. Somos todos migrantes e filhos de Deus. Estamos todos no mesmo caminho. Se fecharmos as portas aos imigrantes, se tirarmos o trabalho e a dignidade deles, isso é corrupção", afirmou Francisco.
Esta é a sétima viagem pastoral de Francisco a cidades italianas, em mais uma demonstração da preocupação do papa com as regiões sul do país, historicamente as que apresentam mais problemas econômicos e de marginalização.
Em Pompeia, Francisco visitou o Santuário da cidade para rezar pela Virgem do Rosário. Em seguida, visitou o bairro de Scampia e se reuniu com a população local. Na Praça do Plebiscito, Francisco presidiu a celebração eucarística antes de visitar a penitenciária Giuseppe Salvia e almoçar com detentos. Ele se sentou à mesa com 12 presidiários, entre eles um argentino. Ao todo, 120 detentos participaram do almoço, alguns deles transexuais.

Fonte: Ig.com

Nenhum comentário: