Páginas

28 de janeiro de 2015

Dissidente do PMDB enfrenta Renan no Senado

Ag. SenadoCom o apoio ostensivo dos partidos de oposição e velado na base aliada, a ala independente do PMDB decidiu lançar ontem, 27 de janeiro, o nome de Luiz Henrique (PMDB-SC) para a presidência do Senado. A decisão foi anunciada pelo próprio senador, que garantiu que a sua candidatura é “irreversível”.
A candidatura foi costurada com o apoio de correligionários, como os senadores Ricardo Ferraço (ES) e Waldemir Moka (MS), e partidos da oposição. O objetivo do PSDB e do DEM é apoiar um nome do PMDB para poder ter chances reais de vitória.
Luiz Henrique afirmou que vai ser candidato mesmo se a bancada de 18 senadores, a maior do Senado, decidir apoiar o atual presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL). “Estamos trabalhando a candidatura pelo PMDB”, disse Luiz Henrique. “É uma decisão irreversível”, reforçou. Na manhã de hoje , 28, Renan tentará demovê-lo da ideia em encontro entre ambos.
Por tradição, a maior bancada - no caso, o PMDB - tem a primazia de indicar o presidente do Senado. Apesar de a eleição ser no domingo, Renan ainda não oficializou sua candidatura. Ele pretendia adiar o máximo possível o lançamento do seu nome para evitar desgastes. 
Ontem, o senador catarinense teve agenda de candidato. Ligou para o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e procurou o PSB.
Questionado se temia represália do partido caso dispute o posto com o atual presidente, disse que não. “Eu não vou sair contra o Renan. Eu vou sair a favor do Senado e a favor das mudanças que são reclamadas nas ruas”, declarou.


Fonte: CNM

Nenhum comentário: